Amy Winehouse – Back to Black

•janeiro 13, 2009 • Deixe um comentário

http://dc95.4shared.com/download/67744216/c629f449/102-amy_winehouse-you_know_im_no_good-ukp.mp3?tsid=20090113-181034-93e38716

Bom disco. Para quem se interessa, existe uma versão sem o vocal dela, interessante para samplear. Eu gosto mais de quando ela canta mas sei que usarei os timbres dela para produzir.

amy_winehouse_back_to_black_coveramy-winehouse-black-cover

Não vou colocar os links para baixar. Virem-se.

30 de dor e muito sangue

•janeiro 10, 2009 • Deixe um comentário

Um obrigado ao meu amigo parceiro de Liero, Denis:

http://www.haznosblog.kit.net/2008/beat_me_up/index.htm

Papercut: Cortando e colando

•janeiro 9, 2009 • Deixe um comentário

Nas noites sem internet por escolha própria tenho tentado gastar meu tempo com atividades demoradas e recreativas como cortar papel. Não é cortar no sentido de picotar, fazer confete, sujeira (apesar dessa última ser inevitável), é no sentido de tentar criar alguma coisa em cima de papel cortado. Sempre tive algum interesse naqueles livrinhos pop-up, que ao abrir, levanta uma figura tridimensional. Então resolvi procurar algumas referências e olha o que eu encontrei essa manhã:

Várias fotos de pop-ups basicamente com motivos voltados à arquitetura:

http://ensue.vox.com/library/post/paper-cuts—-clean-beautiful-and-perfect.html

Sacadas muito boas e extrema habilidade em moldar papel:

http://www.petercallesen.com

Desconstruindo livros e contruindo esculturas:

http://www.pjlighthouse.com/2007/11/22/art-amazing-book-sculpture-brian-dettmer/

http://centripetalnotion.com/2007/09/13/13:26:26/

http://blog.uncovering.org/archives/2007/08/brian_dettmer_e.html

Tubos de Raios Catódicos

•janeiro 8, 2009 • Deixe um comentário

Estou tentando passar menos tempo no computador. Só entro agora pela manhã porque ela está deliciosamente mais vazia. Posso fazer um pequeno balanço do período de dois dias que eu me ausentei à noite da seguinte forma: fiz um presente, conversei com as pessoas que moram no mesmo lugar que eu e desenhei. A televisão tem sido um artifício para eu não entrar em crise de abstinência de radiação catódica. A imagem é tão ruim quanto um filme na pior resolução que vocês já viram, mas pelo menos eu fico com as duas mãos livres.

Minha cabeça não para de fervilhar de idéias que provavelmente fracassarão, como um bom tolo que sou, não dou importância a esse fato e continuo produzindo lixo.

A vida que antes era brilhante e artificial se torna real e fosca. Bem mais agradável. Sorriso.

Sites do dia

•janeiro 4, 2009 • Deixe um comentário

Perca-se com tanta informação visual (ótimo para inspirar):

http://ffffound.com

Mais arte visual:

http://thestrangeattractor.net/

2009-01-02

•janeiro 3, 2009 • 2 Comentários

dsc00062

Minha mãe dirigiu-se ao rapaz que trabalha na recepção do hospital e disse que quando meu avô chegasse era para chamá-la. O rapaz indagou como poderia saber que é o seu pai. Com um sorriso pelo que iria dizer no rosto ela afirmou que assim que entrasse um senhor com barba e vestido com roupas velhas, quase como um mendigo, ele saberia que era meu avô. Então minha mãe entrou para a sala dela e o rapaz ficou um pouco sem graça com a descrição que a própria filha deu do pai. Alguns minutos depois entra meu avô caracterizado como a descrição da minha mãe. Não sei se é porque eu acostumei mas não que meu avô se pareça como um mendigo, mas também não é um “lord”. Empurra a porta com uma mão e com a outra já vai sacando o documento para se identificar na portaria. Ao entrar o rapaz imediatamente retira o telefone do gancho e faz uma ligação. Quando meu avô chega à portaria e debruça o antebraço que empurrou a porta sobre o balcão, antes mesmo de dizer um bom dia, o rapaz diz “seu pai chegou”, sorri e dá bom dia ao senhor que havia acabado de chegar.

Fela Kuti

•janeiro 2, 2009 • Deixe um comentário

felakutianikulapo